Há alguns dias eu tive mais uma oportunidade de ver a cidade à noite. Aguardando meu filho na faculdade subi alguns andares do prédio e de lá contemplei as construções, as ruas, as árvores e as pessoas. Das coisas que acalmam meu coração e minha mente essa é uma das mais agradáveis.
À noite a cidade e o céu tem um tom só, tudo está escuro pontilhado pelas luzes dos apartamentos e das ruas. É uma cena incrível. Olhar as luzes até se perderem da visão faz minha mente trabalhar calmamente. Olho e olho novamente, penso em alguma coisa, penso em nada, imagino um montão de coisas e descanso.
A imagem é sempre a mesma mas a experiência não. A experiência é nova, as sensações são frescas. Os lugares para onde sou transportado são surpresas muito bem vindas. Uma comparação que posso fazer para tentar explicar essa experiência é a de um carro que sempre é abastecido com o mesmo combustível mas viaja para lugares diferentes. A visão da cidade da noite é o combustível e o lugar para onde viajo é sempre diferente. Coisa da alma.
À noite a cidade tem um tom só, o do silêncio. O silêncio da cidade é uma contradição que só a noite produz. Acostumado com o barulho que é próprio da metrópole durante o dia sou surpreendido com a calmaria que ela me devolve à noite, e na madrugada fica melhor. Se há alguém falando eu não ouço. O barulho dos carros se mistura e acaba chegando lá em cima já praticamente nulo.
Lá de cima também dá pra ver a televisão de alguns apartamentos mas o som não chega, ótimo. Tem a barraquinha de cachorro-quente, o pessoal na calçada da pizzaria, alguns garis varrendo a rua e tem pessoas chegando em casa após o trabalho. Tudo sem som.
Fiquei maravilhado pela cidade da noite há alguns anos atrás quando casei e fui morar no décimo sexto andar de um prédio e depois no décimo segundo. Me encantei. Tomara que eu tenha mais oportunidades como esta e se algum dia eu for morar novamente em um apartamento bem alto quero que tenha varanda. De lá vou apreciar a cidade da noite, tudo, é claro, com um bom café e uma deliciosa rosca com açúcar e canela.

Conheça o livro Quando a gente muda
Contato e comentários: danielglimajr@gmail.com
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional