"Nossa alma espera no Senhor nosso auxílio e escudo. Nele, o nosso coração se alegra, pois confiamos no seu santo nome. (Salmo 33:20,21)
O Deus insuficiente é o nosso. O Deus da Bíblia não é. O Deus de Abraão, de Isaque, de Jacó, de Moisés, de Daniel e seus amigos, de Paulo, de Estêvão e de João também não é, mas o nosso é.
Tão trágico quanto termos um Deus por nós tornado insuficiente é o fato de não percebermos isso. Não conseguimos perceber o quanto Deus nos desagrada com suas interrupções e sugestões preferindo fazer o que realmente e decididamente priorizamos ou julgamos importante. O nosso Deus é insuficiente, e por isso precisamos pedir a ele que pare de nos dar opiniões inúteis, pois nós, ao contrário de Deus, já somos autossuficientes e sabemos muito bem cuidar de nós mesmos. Deus, pare com isso, já sabemos (melhor do que o Senhor) o que devemos fazer!

O Deus insuficiente está na igreja. Porque o julgamos insuficiente (mesmo sem sabermos disso), enchemos o culto de apetrechos. O que vai ter hoje no culto? Deus. Ah, é só isso? Então ficarei em casa vendo Faustão, Fantástico, Gugu, Celso Portioli, Pânico, Eliana, e meus amigos do Face e do Insta.
O culto agora é coisa para especialistas e Deus é muito condescendente. Precisamos de alguém com pulso mais firme, que faça "a coisa acontecer", e Deus, com sua simplicidade, já não atende às nossas expectativas. Já se vai longe o tempo em que saíamos de casa para um encontro com Deus. Sabe aquelas placas de igrejas que anunciam o culto como um "encontro com Deus"? São falsas. Se Deus estiver lá, sozinho vai ficar.
Deus também é muito quieto. Também não nos contentamos com o silêncio de Deus e por isso precisamos de equipamentos de som. Muitos equipamentos, e da melhor qualidade. Ainda temos o descaramento de dizer que é para ele: "Para o Senhor devemos comprar o melhor...", dizem os mais espirituais. Mas Deus não é surdo, e ouve muito melhor do que todos os nossos ouvidos juntos. Como o Deus do silêncio não nos interessa, tratamos de encher nossos templos com barulho, e nossos cultos de coisas, gritos, sons e palavreados, só para nos sentirmos satisfeitos, já que Deus fala pouco.
Às vezes tenho a impressão de que estamos dizendo para Deus dar uma "chegadinha para lá"! "Com licença Deus, o Senhor está atrapalhando nosso culto"; "com licença Senhor dos Senhores, aí é o lugar do teclado!"; e por aí vai.
Deus, Deus, Deeeeus, eu quero é Deus! Cantávamos há anos atrás. Será?
Para terminar com uma boa notícia, é verdade que muitos ainda querem Deus. Ainda há muitas pessoas indo à igreja para terem um encontro com o Senhor, sem precisar de apetrechos, pois para elas Deus ainda é suficiente. Desejo sinceramente que esta mensagem sirva de alerta para muitos, para que devolvam a Deus a suficiência perdida. Deus nunca deixará de ser suficiente, nós é que o tornamos assim em nosso coração.
Vá à sua igreja hoje, amanhã, domingo, e sempre, mas vá por causa de Deus. Tolere as insuficiências dos irmãos, do som, da iluminação, da voz, do lanche e do banco duro, mas não tolere a sugestão íntima de que Deus não satisfaz. Vá, ore, cante, louve, ouça a mensagem, se alegre e chore com seus irmãos, e receba Deus, pois ele é e sempre será suficiente.

Conheça o livro Quando a gente muda
Photo by Bill Hamway on Unsplash